29/10/2015

All Yours: Capítulo 13 - Pregnant?

| |
"Eu sou doente de amor e eu não posso ser curado. Aconteceu tão rápido, agora eu estou flutuando por você, porque você é o amor do meu coração." (Light Up The Dark - Greyson Chance)

Após abrir meus olhos, me dei conta de que não sabia onde estava. O quarto estava escuro e silencioso, o único som que eu podia ouvir era de pássaros do lado de fora da casa. Um perfume masculino adentrou minhas narinas, então eu pude perceber onde eu estava e as memórias da noite passada surgiram na minha mente. Ontem foi tão... perfeito. Bem clichê essa palavra, mas era o único modo que eu poderia descrever os acontecimentos.
Em algum momento desde que acordei me peguei sorrindo sem motivo algum e rolei na cama, puxando o travesseiro de Justin para mim. Então era tudo verdade? Ele assumiu mesmo que estava apaixonado por mim?
Enquanto meus pensamentos estavam fixos em Justin, eu bati meu olho em um bilhete no criado-mudo, no qual estava escrito "Estou no andar de cima." com uma letra não muito bonita que me fez rir.
Peguei a primeira roupa que achei no caminho - a camisa enorme do Justin que ele estava usando ontem, que estava jogada no chão do quarto, e que me servia de vestido - e saí do quarto, indo até a escada que eu sabia que levaria até o jardim de inverno da casa. Justin estava lá, apenas de cueca, sentado em um banquinho e fumando. Estranhei, já que nunca tinha visto ele fumar na minha frente, mas não falei nada.
- Bom dia. - Falei pra ele me notar.
- Oi, bom dia. - Ele sorriu pra mim e fez sinal para eu me aproximar. - Dormiu bem? Eu fechei a cortina para você dormir até a hora que quisesse. - Eu ia sentar ao seu lado, mas ele me puxou e me fez sentar no colo dele.
- Dormi muito bem, obrigada. - Sorri. - Não sabia que você fumava. - Apontei para o cigarro que ele tinha apagado em um cinzeiro logo após eu chegar.
- Você tem me feito esquecer do cigarro. - Ele sorriu fraco, sem mostrar os dentes e eu retribuí seu sorriso, só que de forma exagerada. - Mas minha cabeça tem estado cheia e eu precisava de um cigarro pra acalmar.
- E posso saber o que está te incomodando? - Ele suspirou.
- É, acho que pode. - Falou. - Sabe, Liv... eu acho que depois de ontem os meus sentimentos ficaram claros, né? - Assenti.
- Espero que sim. - Ele riu.
- Eu estou apaixonado por você já tem algumas semanas, talvez antes mesmo de você criar algum sentimento por mim, mas eu tenho medo, sabe? Sempre tentei não criar esse tipo de relacionamento com você porque não quero causar problemas na sua vida, não quero que você perca a sua privacidade por causa de mim. Meu trabalho é maravilhoso, mas acaba causando problemas para as pessoas com as quais me relaciono e eu nunca me perdoaria se algo acontecesse com você.
- Justin... - Falei e virei de frente pra ele, sentando com uma perna de cada lado do corpo dele, de modo que eu podia olhar diretamente em seus olhos, e coloquei meus braços em volta de seu pescoço. - Quantas vezes eu vou ter que falar que eu não me importo? Que eu estou disposta a enfrentar tudo? Você acha que se eu não quisesse você por perto eu ainda estaria falando com você?
- Mas você não entende a proporção de tudo, Liv.
- Estou disposta a entender. - Falei antes que ele pudesse dizer algo a mais. - E se você continuar falando isso eu vou ficar chateada. Parece que eu não sou forte o suficiente.
- Você é uma das mulheres mais fortes que eu conheço. - Me deu um selinho. - Vou tentar parar de pensar tanto nisso, ok? E prometo que vou te proteger de tudo e de todos.
- Eu confio em você. - Disse antes de beijá-lo. Ele me puxou mais pra frente, nos dando um contato mais íntimo, e eu movi meu quadril, o fazendo soltar um gemido rouco. Era bom saber que eu tinha esse controle sobre ele.
- Depois não reclama quando eu não conseguir parar. - Ele falou e riu em seguida. Levei minha boca até seu pescoço e comecei a distribuir beijos naquela região, até chegar no seu ouvido.
- E quem disse que eu quero parar? - Justin enrolou a mão no meu cabelo e puxou minha cabeça para frente da sua, me beijando em seguida.
Quem diria que algum dia eu estaria tão apaixonada por ele? Tão apaixonada a ponto de não ligar pra mais nada que não fosse ter ele ao meu lado? Nada mais me importava, nem os fãs, nem a mídia, nem a falta de privacidade, nada. Era loucura? Talvez. Talvez me envolver tanto com ele fosse a maior loucura que eu já teria feito na minha vida, mas aí estava o problema: eu realmente não me importava. Seu toque, seu beijo, seu sorriso, seus olhos... ele me envolvia de uma forma surreal, eu sentia que se eu não pudesse ter ele ao meu lado eu não poderia ser feliz, e aí estava o maior problema. Poderia ele sentir o mesmo que eu? Ele poderia me amar com a mesma intensidade? Eu só esperava que a resposta para todas essas perguntas fosse sim porque sem ele eu nunca me sentiria tão completa do jeito que sou hoje.
- Eu queria poder ficar assim com você o dia todo. - Ele disse, me trazendo de volta a realidade. Minha cabeça estava apoiada no ombro dele e ele me abraçava carinhosamente.
- Nós podemos. - Falei fazendo manha e ele riu.
- Não podemos, não. Não vou deixar você faltar aula.
- Só um dia não faz mal.
- Faz mal pra minha relação com seu pai. Pensa se ele descobre que você tá faltando aula pra ficar comigo? Minha chances vão reduzir consideravelmente. - Ri, jogando minha cabeça pra trás.
- Você é muito preocupado. - Justin beijou meu pescoço, me causando arrepios.
- Quando o assunto é você eu realmente me preocupo demais. Quero te ver sempre feliz. - Sorri, o beijando mais uma vez. - Vamos descer, vou te levar na faculdade. - Ele deu tapinhas na minha perna e eu levantei do seu colo, segurando sua mão em seguida e o puxando.
- É sério isso que você disse sobre gostar de mim há semanas? - Perguntei enquanto nós descíamos a escada de mãos dadas.
- É. Por que eu mentiria? - Dei de ombros.
- Não sei, é só esquisito ouvir isso. - Ele me olhou meio confuso, com as sobrancelhas um pouco arqueadas.
- Esquisito?
- Sim. Eu nunca achei que isso aconteceria, sabe? Ouvir isso de você. Eu achava que você nem sentia nada por mim. - Justin riu e me deu um beijo na bochecha.
- É impossível não sentir nada por você. - Sorri, ficando na ponta dos pés para beijá-lo na bochecha.
Depois de chegarmos no quarto do Justin e as cortinas serem abertas, pudemos ver o quanto aquele quarto estava bagunçado. Nossas roupas, sapatos e a roupa de cama estavam espalhadas pelo chão.
- Nós fizemos um estrago ontem. - Justin falou e eu ri, sentindo minhas bochechas esquentarem um pouco.
- Idiota. - Ele sorriu, chutando um tênis para o lado e se jogando na cama.
- Pode pegar o que quiser no meu closet. - Assenti e fui em direção ao banheiro, onde tomei um banho quente meio demorado e levei algum tempo procurando uma escova de cabelo, a qual eu me dei conta que estava na minha cara, em cima da pia. Depois peguei a minha roupa de ontem que tinha ficado no banheiro e saí enrolada na toalha, já com o cabelo penteado, e fui para o closet ver o que eu podia arrumar lá. Não tinha tantas roupas como eu pensei que teria, mas não podia dizer o mesmo dos sapatos. Eram prateleiras e mais prateleiras de tênis de todos os tipos e eu fiquei me perguntando qual a necessidade de tanto sapato pra uma pessoa só.
Depois de pegar o que precisaria e terminar de me vestir com a mesma saia e sapato de ontem e uma t-shirt branca de Justin que eu coloquei por dentro da saia, decidi que eu precisaria de uma jaqueta, então peguei uma preta muito bonita que não era tão grande e a vesti, me olhando no espelho após isso. Não estava ruim, estava arrumado até demais para ir para a faculdade, mas eu iria assim mesmo.
Justin estava dormindo quando eu terminei e eu sorri ao vê-lo todo enrolado no cobertor com a boca meio aberta. Ainda era meio difícil acreditar que tudo isso era verdade e que finalmente existia um "nós".
- Ei, acorda. - Falei beijando sua bochecha e ele resmungou um pouco antes de me puxar e me prender entre seus braços. - Quando eu queria ficar em casa você não deixou, agora que eu me arrumei você fica me prendendo? Não estou te entendendo. - Ele riu ainda sem abrir os olhos.
- Fiquei com preguiça.
- Nós podemos ficar deitados aqui o dia todo. - Beijei sua bochecha mais uma vez e novamente ele riu, se afastando de mim e sentando na cama.
- Não adianta, não vou deixar você faltar aula. - Ri.
- Tá bom, vai se arrumar então.
- Estou indo. - Ele me deu um beijo e foi para o banheiro. Fiquei deitada na cama mexendo no celular e aproveitei para mandar uma mensagem para Hailey falando que tinha dado tudo certo com o Justin e mandei uma mensagem também para o meu pai dizendo que estava com saudades e que queria vê-lo. Após Justin entrar na minha vida eu praticamente o abandonei. Depois entrei no Instagram já que fazia dias que não entrava e me surpreendi ao ver que eu tinha mais de 40 mil seguidores sem nunca ter postado nenhuma foto, tudo graças a uma foto postada pelo Justin do dia que nós fomos no McDonald's de madrugada. Eu tinha falado pra ele não postar foto nenhuma, mas tudo bem.
Justin demorou longos minutos no banho e quando saiu passou direto por mim e entrou no closet, saindo de lá minutos depois completamente vestido.
- Estou pronto.
- Finalmente. - Falei saindo da cama e ele me mostrou a língua, parecendo uma criança.
Peguei minha bolsa e nós descemos até o primeiro andar de mãos dadas, mas as soltamos ao chegar na garagem, onde um homem de uns quarenta e poucos anos estava parado em pé ao lado do Rolls Royce do Justin.
- Bom dia. - Justin falou ao nos aproximarmos.
- Bom dia. - O motorista disse e abriu a porta para entrarmos. Depois deu a volta no carro e entrou no banco do motorista, o que eu eu não pude ver já que havia uma espécie de parede com uma janelinha que estava fechada separando os bancos da frente dos de trás.
- Você vai pro estúdio comigo hoje, né? - Justin perguntou.
- Vou. Que horas você vai pra lá?
- Depois que deixar você na faculdade. - Ele entrelaçou nossos dedos novamente e ficou fazendo carinho na minha mão com o polegar.
- Você vai ficar o dia todo lá? - Perguntei.
- Vou.
- Deve ser cansativo.
- E é, mas eu gosto tanto de fazer músicas que eu nem vejo a hora passar. É meio que um hobbie misturado com trabalho. - Sorri, me sentindo orgulhosa dele. Justin realmente não era nada do que as pessoas falavam sobre ele e a cada dia eu tinha mais certeza disso.
Nós fomos para minha casa, onde eu peguei meu material da faculdade e passei um pouco de maquiagem. Depois fomos almoçar em um restaurante no centro de LA antes de Justin me deixar na faculdade. O local não estava muito cheio, o que me deixou um pouco mais confortável para agir normalmente, o que era difícil quando eu sabia que estava sendo o centro das atenções. Nós fomos atendidos por um garçom que anotou nossos pedidos e se retirou, nos deixando sozinhos.
- Meu aniversário está chegando. - Ele falou sorrindo.
- Verdade! É dia primeiro de março, certo? O que você vai fazer?
- Andou pesquisando sobre mim, é?
- Que tipo de amiga eu seria se não soubesse a data do seu aniversário? - Justin riu.
- Do meu tipo. Você nunca me falou a sua. - Fiz a melhor cara de inconformada que eu consegui, o que fez Justin rir mais uma vez.
- Não acredito nisso.
- Ei, ei, ei. - Ele colocou as mãos pro alto, como quem se rende. - Não é culpa minha se você nunca me contou.
- Dessa vez eu vou aceitar seu argumento. E meu aniversário é dia vinte e dois de abril.
- Vinte e dois de abril. Não esquecerei. - Sorri.
- E então, o que você pretende fazer pra comemorar seu aniversário?
- Não sei... não quero nada grandioso. Estava pensando em viajar com alguns amigos.
- Sem boates? Uau. - Ele riu.
- Não sou eu que planejo festas em boates, as pessoas que fazem e me avisam, aí tenho que ir.
- Como se você não gostasse. - Justin riu novamente, mas parou quando o garçom chegou com nossas comidas. Por um momento eu esqueci quem era a minha companhia e fiquei pensando no porque da comida ter chegado tão rápido, mas assim que lembrei quem Justin era tudo fez sentido.
- Pois saiba que eu prefiro passar a noite em casa com você do que em uma boate. - Ele falou após o garçom se afastar e eu sorri, sentindo meu coração acelerar como sempre acontecia quando Justin me falava algo bonitinho.
Nós tivemos que ir embora logo após terminar de comer porque alguns paparazzis descobriram onde Justin estava e não paravam de tirar fotos, deixando Justin um pouco irritado. O trânsito estava bem ruim, então o caminho até a faculdade foi longo e rendeu muito tempo para Justin me contar sobre seu álbum que estava planejado para sair em novembro e o quanto ele estava ansioso com isso. Me contou também que tinha mais de trezentas músicas gravadas, que ainda não sabia quais músicas iriam entrar no álbum novo e prometeu me mostrar algumas delas hoje a noite.
Justin me deixou na faculdade por volta das 2 horas da tarde e logo que eu desci do carro pude avistar Hailey sentada sozinha em um banco enquanto lia um livro.
- Boa tarde. - Falei sentando ao seu lado. Ela sorriu maliciosamente ao me ver e eu ri.
- Boa tarde, senhora Bieber. - Ri novamente.
- Está avançando as coisas rápido demais, Hailey.
- As únicas pessoas avançando as coisas são você e o Justin. - Balancei a cabeça negativamente, sorrindo envergonhada. - Vamos, me conta tudo.
- Nós passamos a noite juntos, ué. - Ela revirou os olhos.
- Eu quero detalhes, Liv, detalhes.
- Tá bom. Basicamente, nós nos encontramos na boate, Justin ficou com ciúmes do Roman e me chamou pra ir pra casa dele. Aí começou a chover, nós nos molhamos, ele me emprestou uma roupa dele, fez algo para comermos e o resto você já imagina. - Ela riu.
- O resto não precisa contar. - Falou. - E ele se declarou pra você?
- É, acho que sim.
- Como assim você acha? Me conta as coisas direito, Olivia.
- Eu estou contando. Ele disse que está se apaixonando por mim, mas que tem medo de levar isso adiante por causa de quem ele é.
- É, a vida dele não é fácil. Mas e você? Tá decidida mesmo a ficar com ele?
- Claro que sim.
- Acho bom, senão iria te bater. - Ri.
- O que eu sinto por ele é intenso demais pra deixar as outras pessoas atrapalharem tudo.
- Ai meu Deus, que lindo. Eu quero algo assim pra minha vida também.
- E o Josh? Nunca imaginaria que você gostava dele.
- Eu ia te contar, mas estava esperando as coisas se acertarem mais. Ainda não tinha certeza se eu gostava mesmo dele ou era só uma atração.
- Então quer dizer que você está gostando mesmo dele. - Ela sorriu.
- Estou, mas ainda estamos nos conhecendo melhor. Não é nada tão intenso igual você e o Justin.
- Os sentimentos que rolam entre mim e o Justin não são normais.
- São lindos, isso sim. - Sorri. - Vem, vamos entrar. Tenho que falar com o professor antes da aula começar. - Ela disse levantando e puxando minha mão para que eu levantasse também. Nós caminhamos juntas por algum segundo, mas nos separamos dentro do prédio de medicina já que nossos horários eram diferentes.

[...]

As aulas hoje terminavam às 7:30 da noite e assim que deu o horário para sair eu meio que corri pois sabia que Justin estaria me esperando. No caminho até a saída do prédio encontrei com Hailey e nós fomos juntas até o estacionamento ao lado, local onde Justin estava e onde Hailey tinha deixado o carro da mãe dela.
- Quase não dá pra notar que Justin está aqui. - Ela falou olhando para o luxuoso carro preto fosco estacionado entre dois carros bem mais simples.
- Mais um pouco e eu não acharia ele. - Ela riu.
- Olivia! - Uma voz feminina conhecida gritou e todo o meu bom humor pareceu desaparecer do meu corpo ao reconhecer quem era. Lisa, ou melhor, minha mãe, acenava sorrindo e caminhava em minha direção. Essa deveria ser a quarta ou quinta vez que ela vinha me procurar na faculdade, mesmo eu deixando bem claro que não queria que ela fizesse isso.
- Quem é? - Hailey perguntou. Nunca tinha apresentado minha mãe a nenhum dos meus amigos, até porque ela era alguém com quem eu não queria contato.
- Minha mãe. - Falei, olhando fixamente para a mulher que se aproximava.
- Ah sim, hm, eu vou falar com Justin. - Hailey disse se afastando e indo até o carro estacionado logo atrás de nós.
- Oi. - Lisa falou ao chegar perto. Ela era uma mulher morena de 49 anos que estava sempre sorrindo e parecia nunca deixar nada lhe entristecer.
- Oi. O que faz aqui? - Perguntei cruzando meus braços na frente do peito.
- Vim te ver. Eu disse que voltaria.
- Eu já falei que não quero te ver.
- Liv, por favor, eu preciso muito falar com você. É importante. - Ela disse segurando meu braço quando eu ameacei lhe dar as costas. Virei pra ela esperando ela falar o que queria, mas ela não disse nada.
- O que é?
- Vamos até alguma lanchonete, eu não quero conversar assim. - Revirei os olhos. Ela sempre me fazia ficar alguns minutos conversando com ela contra a minha vontade.
- Não posso, um amigo está me esperando pra gente sair.
- Por favor, Liv. - Bufei.
- Me espera no Starbucks. - Falei lhe dando as costas e indo até o carro do Justin. Hailey estava sentada no banco do carona e os dois estavam conversando, mas pararam assim que eu apareci na janela ao lado do Justin.
- Não me bate, a gente só tava conversando. - Hailey falou assim que me viu, me fazendo rir.
- Relaxa, eu sei que vocês estavam nos espionando.
- Talvez. - Justin falou, me fazendo rir novamente. - Então aquela é a sua mãe? - Assenti. - O que ela queria?
- Ela quer me contar algo, está me esperando no Starbucks.
- E por que você não foi ainda? - Justin perguntou.
- Eu vim te avisar, ué. E também vim te chamar pra ir comigo.
- Acho melhor não, Liv. Ela deve estar querendo passar um tempo com você.
- Por favor, Justin, eu vou ficar mais tranquila se você estiver lá comigo.
- Ai que lindo. - Hailey falou e eu e Justin olhamos rindo pra ela ao mesmo tempo. - O que foi?
- Nada. E então, Justin? - Falei.
- Não sei, Liv...
- Por favor... - Justin revirou os olhos.
- Tá bom, eu vou.
- E eu vou meter o pé pra casa. Quero saber de tudo depois, Liv. - Assenti, observando ela acenar e sair do carro em seguida, indo até seu carro. Justin pegou um óculos escuro dentro o porta-luvas e o colocou no rosto, então saiu do carro, o trancando logo após isso.
- Muito obrigada por fazer isso por mim. - Falei enquanto caminhávamos até um dos vários Starbucks que existiam dentro do campus.
- Qualquer coisa pra te ver bem. - Sorri.

[...]

O local estava vazio, o que foi um alívio para Justin. Não havia paparazzis, já que estávamos dentro do campus, mas isso não impedia o fato de que um alvoroço poderia ocorrer caso tivesse alguém ali. Lisa estava mexendo em seu celular, mas assim que nos viu uma expressão de surpresa surgiu em seu rosto, que logo desapareceu dando um lugar ao seu sorriso habitual.
- Justin, essa é Lisa, e Lisa, esse é Justin. - Falei os apresentando e sentei em uma das cadeiras. Eles se cumprimentaram em um abraço e então sentaram novamente.
- Espero que não tenha problema em eu ter vindo. A Liv fez questão. - Justin falou.
- Está tudo bem. Se ela confia em você, então não tem porque eu não confiar. - Olhei pra ela com tédio.
- E então? - Falei.
- Como foi o seu Natal e Ano Novo? - Ela perguntou.
- Sério que você vai ficar de conversa fiada? Fala logo o que é tão importante. - Justin me olhou incrédulo, mas eu o ignorei.
- Eu quero saber como vão as coisas. Você é minha filha, eu me preocupo com você.
- Estão ótimas, mas se é pra isso que você me chamou então já posso ir embora.
- Liv. - Justin falou e eu o olhei. - Vai com calma. - Disse segurando minha mão por debaixo da mesa e eu respirei fundo, me acalmando.
- As coisas estão cada vez melhores, Lisa. E com você?
- Poderia estar melhor e você sabe o por que, né? - Não respondi, apenas mantive meu olhar fixo nela. Eu não gostava quando ela tentava se reaproximar de mim, ainda não tinha certeza se estava pronta para perdoá-la e tinha menos certeza ainda se conseguiria algum dia. Ter ela próxima de mim só me deixava mais abalada. - Bom, vocês precisam ir, então eu vou direto ao assunto que me trouxe aqui. - Ela falou depois de perceber que eu não a responderia. Seu olhar passou rapidamente por Justin, que prestava atenção na conversa sem dizer uma palavra, e então parou em mim, onde permaneceu por alguns segundos. Lisa então riu sem graça. - Eu não sei como dizer isso.
- Fica calma. Tenho certeza que seja o que for que você tenha que contar, a Liv não vai perder a cabeça. - Justin falou e eu olhei pra ele, mas tudo o que eu recebi foi um sorriso discreto que me fez suspirar fundo mais uma vez.
- Ok, vamos lá. - Lisa falou. - Eu... eu estou grávida. - Ao ouvir essas palavras eu senti meu coração bater mais forte e tudo pareceu girar. Como assim minha mãe estava grávida? Ela teria um filho com o homem que eu mais odiava no mundo, era isso mesmo? Então eles seriam uma família feliz, a família que eu nunca pude ter por causa da mulher que estava na minha frente?
- Justin, vamos embora. - Falei levantando e pegando minha bolsa. Eu não poderia mais ficar naquele lugar, eu precisava sair dali, era tão difícil digerir tudo aquilo.
- Liv... - Justin falou, mas eu apenas neguei com a cabeça.
- Não, só vamos, por favor. - Disse e então saí de dentro daquele lugar o mais rápido que eu pude.
Eu sei que estava sendo egoísta, que não era justo eu ter raiva apenas porque minha mãe estava construindo uma família, mas também não era justo ela ter feito tudo o que fez e então vir até mim e me contar isso como se fosse algo normal, mesmo sabendo o quanto eu sofri durante a minha adolescência por não ter uma família.
Enquanto estava encostada no carro de Justin tentando digerir tudo isso e tentando não chorar, eu o vi se aproximar. Ele tinha mãos nos bolsos da calça e a cabeça abaixada, provavelmente tentando não ser reconhecido, mas assim que chegou perto de mim ele fixou seu olhar no meu.
- Babe... - Falou me puxando para um abraço e suspirei, tentando não chorar.
- Só não vamos falar sobre isso agora, ok? - Ele beijou o topo da minha cabeça.
- Ok.
Nós ficamos abraçados por alguns segundos, apenas o suficiente para que eu me acalmasse um pouco mais. Justin tinha esse poder sobre mim, ele poderia me acalmar apenas com um abraço ou com um sorriso e isso era algo que eu me perguntava se era normal ou se era algo com o qual eu deveria me preocupar.



Como prometido aí está o capítulo novo!
Depois de meses, já não era sem tempo, né? hahahaha
Queria colocar mais momentos fofinhos entre os dois, mas isso vai ficar pro próximo. Já tenho muitas coisas planejadas pra essa fanfic, inclusive o final, e espero que vocês gostem de tudo que vai acontecer.
Com o ano chegando ao fim a minha vida tem estado mais corrida. É ENEM, vestibular, auto-escola, fora a pressão de ter que começar a definir o meu futuro, então eu não tive muita cabeça pra fanfic, mas também não quis abandonar o blog pra sempre haha. Eu tenho um carinho muito grande por esse blog, pelas fanfics e pelos leitores, isso tudo fez parte da minha adolescência, eu não sei se algum dia terei coragem de me desfazer de tudo, porém eu peço que tenham paciência. Como eu já disse, não dá pra postar sempre, mas isso não quer dizer que eu tenha abandonado. Não importa quanto tempo eu fique sem postar, eu sempre voltarei pra vocês <3
Bom, como vocês sabem, muitas coisas aconteceram com o Justin durante esse tempo que eu fiquei sem postar. Ele lançou What Do You Mean?, Sorry, o nome e a tracklist do álbum foram divulgados, ficamos sabendo que a 1D vai lançar álbum no mesmo dia que ele, a mídia andou falando mal dele como sempre, etc. Eu quero que vocês me contem o que estão achando de tudo isso.
Eu estou amando! Me lembra da época de Believe que nós ficamos nessa ansiedade também, só que agora é um milhão de vezes melhor, porque é o retorno dele, é ele mostrando que está aqui para ficar. Nossa, meu coração parece que vai explodir de alegria toda vez que penso nisso, porque ainda não caiu a ficha direito de que ele está mesmo de volta, que teremos álbum, turnê e muitas coisas que não temos há muito tempo. Não consigo controlar minha ansiedade hahaha
Enfim, falem aí nos comentários, vamos conversar. Vou responder todas vocês, prometo :)
Espero que tenham gostado do capítulo novo e até o próximo. Obrigada por me esperarem por todo esse tempo <3

Divulgando:
http://imaginebelieberandjarbara69.blogspot.com.br/
http://bestfandomintheworld.blogspot.com.br/

9 comentários:

  1. Continua,tá mt fodaaa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amr, td bem? poderia da uma olhadinha na minha ib?http://imaginebelieberjus1.blogspot.com.br/2015/10/a-gangue-3.html#comment-form

      Excluir
  2. aaaaaaaaaa que maravilhoso que saudades de entrar aq no blog e da de cara com capitulos novos

    ResponderExcluir
  3. estou ansiosa para os proximos capitulos

    ResponderExcluir
  4. Bia, aqui é Carol e eu sou uma leitora fantasma. É raro o fato de eu comentar em fics mas, a sua merece todos os comentários do mundo!
    Is it too late now to say sorry ? Por não ter comentado antes ? So-rry!
    Flor, eu amo sua fic e já disse que eu amo Broken ? Nops ? EU AMO BROKEN!
    Ah! Sou completamente apaixonada por Only best friends. Deus, o que foi aquela história?
    Super hiper mega ultra incrivelmente perfeita.
    Já li & reli tanto a primeira e a segunda temporada. Eu choro até hoje com alguns capítulos daquela história.
    Você escreve perfeitamente bem que faz com que cada uma de nós sentir o que cada personagem sente no momento.
    Já pensou em ser escritora ?
    Lágrimas transabordam em meu rosto por saber que Broken está acabando. Não acaba, não! Eu tava amando. ~tá parei~
    Para tudo! Broken já está no final. ~todas choram~
    Céus, e antes que eu esqueça: Only Best Friends é a minha história favorita! Ever!
    E querida, você quer que eu tenha um Heart Attack ?
    Eu necessito muito da continuação de Broken!!
    Sim, estou esperando ansiosamente por Purpose. E Jesus, o que foi aquele clipe de What do you mean ?
    E Sorry, nem se fala! Tô viciada nessa música. Assim que toca, sinto uma necessidade de dançar loucamente.
    Fiz o Enem. E você como foi ? Você diz que estava ansiosa e nervosa mas, ocorreu tudo bem ? Sinceramente, espero que tudo tenha ocorrido bem. Beijoos!! <3 (Carol)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Que bom que você não é mais fantasma haha E obrigada pelos elogios, mas eu não escrevo Broken e nem Only Best Friends, só All Yours hehe mas obrigada mesmo assim :) Também sinto vontade de dançar com Sorry, parece que aquela música domina nosso corpo hahaha E sobre o ENEM eu acho que não fui muito bem e nem muito mal. Ano passado minha média foi 605, acho que esse ano fica por aí também. E você? Foi como? Vê se não some! (mesmo eu sumindo sempre 😁😁)

      Excluir

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.