08/02/2015

All Yours: Capítulo 8 - Your body is a wonderland

| |
"E se você quiser amor nós o faremos, nadando um mar profundo de cobertores. Pegue todos os seus grandes planos e quebre-os, isso vai demorar."
(Your Body Is A Wonderland - John Mayer)

Ok, não vou mentir pra vocês falando que eu não estava nervosa com esse negócio de ir na casa do Justin. Eu estava sim. E muito.
Eu já estava pronta e Hailey tagarelava sem parar enquanto tirava e colocava roupas. Ela estava muito animada em conhecê-lo.
- Hailey, daqui a pouco o Justin chega. - Falei enquanto olhava as horas no meu celular. - Não precisa se arrumar muito, não vai ter demais.
- Como você pode falar isso! É o Justin Bieber! - Revirei os olhos. Ela estava parecendo uma adolescente louca.
- Grande coisa. Quando você conhecer ele vai ver que ele é tão normal como qualquer outra pessoa. - Disse. - Agora anda logo, não quero fazer ele ficar esperando. - Levantei de onde estava sentada e fui pra sala. Maldita hora em que fui chamar Hailey pra ir. Ela estava enlouquecendo!
- To pronta, calma. - Falou me seguindo.
- Quem tá precisando de calma não sou eu. - Ela deu uma risada irônica.
- Será que ficaria muito estranho se eu pedisse uma foto com as pessoas que estarão lá? - Perguntou.
- Ficaria sim. Hailey, por favor, age naturalmente. Deixa pra surtar quando chegarmos em casa. Justin tá confiando em mim que não vou levar nenhuma maluca. - Ela riu.
- Tá bom, mãe. Eu vou agir naturalmente, prometo. - Assenti sorrindo. - Nunca que eu ia imaginar que Justin Bieber te chamaria pra uma reunião de amigos na casa dela.
- Nem eu. - Falei. - É legal saber que ele confiou em mim a esse ponto. Eu até agora não consegui entender o porque disso.
- Deve ser porque ele teve a oportunidade de conhecer a ótima pessoa que você é. - Ela falou e eu sorri.
- Obrigada. É bom ouvir isso. - Ela sorriu em resposta.
Após isso o telefone fixo tocou e eu o atendi. Era o porteiro avisando que "aquele tal de Justin Bieber" estava me esperando lá embaixo.
- Ele chegou. - Falei pegando minha bolsa e a chave de casa.
- Ai meu Deus. - Hailey falou nervosa e eu ri. Pra que isso tudo?
Nós saímos e eu tranquei a casa. Enquanto esperávamos o elevador eu ficava falando pra Hailey não surtar e agir normalmente, o que ela prometeu que faria.
Logo após sairmos do elevador, já podíamos ver o carro do Justin parado em frente o prédio. Era o mesmo carro que ele estava usando hoje à tarde.
- Ai meu Deus, olha esse carro. - Ela falou baixo e eu ri. Não podia negar que era engraçado vê-la desse jeito.
Justin abaixou o vidro do carro e acenou sorrindo enquanto Hugo abria a porta para nós entrarmos.
- Obrigada, Hugo. - Falei e ele sorriu.
- Sem problemas.
Eu entrei no carro primeiro, de modo que fiquei no meio, e Hailey entrou depois. Justin me abraçou assim que eu entrei e devo admitir que ele cheirava muito bem.
- Achei que ia te encontrar de pijama falando que não ia mais. - Ele falou assim que nos separamos e eu gargalhei.
- Achou errado, Bieber. - Ele riu assentindo. - Essa aqui é minha amiga Hailey.
- Oi, Hailey! - Falou a cumprimentando. - Tudo bom?
- Tudo! - Falou um pouco animada demais e eu me segurei pra não rir. - E você?
- Estou ótimo! Obrigada por perguntar. - Ela sorriu. - Khalil pediu pra eu te passar uma mensagem.
- O que?
- "Cara, fala pra ela esquecer aquela imagem de mim bêbado. O que ela deve tá pensando de mim?" - Ri alto quando ele terminou de falar.
- É, eu não to pensando as melhores coisas sobre ele. - Justin riu.
- Ele é legal, vocês vão ver.
[...]
Meu queixo caiu quando chegamos na casa do Justin. Parecia que eu estava entrando em algum desses filmes futurísticos. A casa era toda de vidro e eu não conseguia ter ideia de quantos andares havia, mas eu tinha certeza que poucos não eram. Nunca tinha entrado em uma construção tão bonita.
Assim que nós entramos no primeiro cômodo, que era a sala de estar, pudemos ouvir uma gritaria em algum lugar da casa. Justin nos levou até uma espécie de salão de jogos, local de onde vinham os gritos.
- JB! - Um cara loiro gritou vindo até nós e passando um dos braços por cima do ombro do Justin. - Que bom que chegou. Nós estávamos em uma discussão importante e precisamos da sua opinião.
- Ryan. - Justin falou. - Posso apresentar minhas convidadas? - Ele disse balançando a cabeça em nossa direção, o que fez todas aquelas pessoas que estavam ali prestarem atenção em nós. Eu quase saí correndo dali com vergonha e acho que Hailey não estava muito diferente de mim.
- Ah sim, foi mal. - O tal Ryan disse agora nos olhando.
- Então pessoal, essas aqui são Olivia e Hailey. - Ele falou. - Esses aqui são Khalil, essa loira também é Hailey, aquela é a Kendall, esse é Hugo e esse que vocês acabaram de conhecer é o Ryan, mas pode chamar ele de Butsy. - Ri com o apelido. Quem chama o amigo de "peituda"?
- Hm... oi gente. - Hailey, a minha amiga, foi a primeira a se pronunciar. Eu até ia dizer algo depois, mas o Khalil levantou do sofá e veio até mim.
- Olha, eu sei que você não teve uma boa primeira impressão minha, mas eu juro que não sou daquele jeito quando to sóbrio. - Ele falou e eu ri.
- Tá tudo bem. - Khalil assentiu.
- Venham sentar com a gente. - Ele passou um braço por cima do meu ombro e o outro no ombro de Hailey e nos guiou para o grupo de amigos que estavam conversando antes da gente chegar. Eu e Hailey sentamos nos únicos lugares disponíveis, que era no sofá onde estava sentada a Kendall.
- Então, qual a discussão importante? - Justin falou se jogando em um dos pufes.
- Precisamos saber o que pedir pra comer. Até agora pizza está empatado com comida japonesa. - Ryan falou.
- Eu prefiro pizza, mas pede os dois.
- Você é o cara. - Ryan disse se afastando enquanto digitava algo no celular.
Os meninos então foram jogar sinuca e Kendall e a Hailey do Justin ficaram falando sobre o próximo desfile da Kendall. A minha amiga Hailey então se meteu no assunto, porque ela adorava assistir esses desfiles na internet e entendia, mas eu não sabia de nada, o que me fez ficar meio deslocada. Decidi me juntar aos garotos, mesmo não sabendo nada de sinuca também. Talvez eles estariam em um assunto legal.
- Ryan, você não sabe perder! - Justin disse rindo enquanto tomava alguma bebida que eu não sabia qual era.
- Olha quem tá falando. - Ryan disse. - Eu não perdi! Vocês armaram um complô contra mim. - Ele gritou, fazendo todo mundo rir.
- Mete o pé daí, Ryan. Minha vez. - Hugo falou empurrando Ryan, que bufou e entornou a bebida que estava em seu copo.
- O que está havendo? - Perguntei parando ao lado de Justin.
- Ryan perdeu mas não admite. - Justin balançou a cabeça na direção de Ryan, que agora comemorava algo que aconteceu no jogo. Ele não estava sóbrio.
- Acho que ele tá meio alterado. - Justin riu.
- Ele é fraco pra bebida. Você quer?
- O que é isso? - Perguntei olhando dentro do copo e vendo uma bebida vermelha.
- Um drink de morango que o Khalil fez.
- Quero. - Falei. - Onde fica o banheiro? - Perguntei.
- Na porta em frente à essa sala. - Assenti e ele se afastou para buscar a minha bebida.
Saí da sala e abri a porta de madeira à minha frente. Perdi alguns segundos olhando o enorme cômodo no qual eu entrei e então fiz o que tinha que fazer. Ao sair aproveitei que estava sozinha para olhar o corredor, o qual havia muitas portas, inclusive uma que me chamou atenção. Era uma porta dupla metálica que logo eu reconheci como um elevador. Fiquei imaginando o quanto essa casa deveria ser grande.
- O que houve? - Ouvi a voz de Justin e me assustei, o que o fez rir. Ele estava no começo do corredor e vinha caminhando na minha direção.
- Nada. - Falei sorrindo.
- Isso é um elevador mesmo. - Ele disse. Provavelmente me viu olhando para aquela porta.
- É, eu imaginei. - Ri. - Você mora em um palácio. - Falei brincando e ele riu.
- Vem comigo, deixa eu te mostrar uma coisa. - Ele me puxou pela mão e paramos em frente à uma escada, a qual começamos a subir.
- Por que não subimos de elevador? - Falei já na segunda escada.
- Porque sou claustrofóbico. - Ri baixo enquanto ele continuava me puxando. Nós subimos mais uma escada e paramos em frente à uma menor e mais estreita.
- Me diz que essa é a última. - Ele riu, mas não me respondeu.
Apertou um interruptor e as luzes se acenderam, o que me deixou mais curiosa e me fez acelerar os passos para chegar até o topo da escada. Não era nada luxuoso, mas era muito bonito, uma espécie de jardim de inverno, com muitas plantas, uma fonte e alguns bancos. Era todo de vidro e super silencioso.
- Esse é um dos meus lugares favoritos da casa. - Justin disse sentando em um dos bancos.
- É incrível. - Sentei ao seu lado. - Foi você que teve essa ideia?
- Não, essa casa é alugada, já tinha isso quando eu me mudei, mas eu descobri tem pouco tempo. Nunca tinha reparado que tinha uma escada a mais. - Falou. - Esse é o melhor lugar pra pensar e compor.
- Imagino. Se eu tivesse um lugar como esse ficaria nele o tempo todo. - Justin riu.
- É mais ou menos o que eu faço. - Disse e então ficamos um tempo em silêncio até ele se pronunciar. - Sabe... eu fico muito feliz em ter te conhecido. - Eu o olhei sem reação. Onde ele estava querendo chegar com essa conversa?
- Obrigada. Também gostei de te conhecer. - Falei.
- Não, é sério. Eu demoro muito tempo até conseguir confiar em alguém, mas com você as coisas fluíram tão naturalmente.
- Exatamente o que eu penso. Eu nunca tinha contado sobre a minha mãe pra ninguém e até agora não sei o que me levou a fazer isso. - Ele sorriu.
- Isso é estranho né? - Assenti. É, isso era muito estranho. Toda essa aproximação e confiança ocorreram de uma hora pra outra e mesmo eu não tendo certeza se devia seguir em frente com isso, algo me dizia que era o certo a se fazer. Sua presença me fazia bem e me causava sensações boas, isso eu não poderia negar. - Vamos voltar? Os outros já devem estar se perguntando de nós.
- Hailey deve estar brava que eu a deixei lá.
- Quando eu saí de lá ela estava jogando com os outros. - Ele levantou e eu fiz o mesmo. Desci a escada na frente e ele veio atrás de mim logo após apagar a luz. Descemos todas as outras três escadas e um pouco antes de chegarmos até a sala onde os outros estavam, Justin segurou meu braço.
- O que foi? - Perguntei o olhando com a sobrancelha arqueada. Ele não me respondeu, apenas ficou me olhando por alguns segundos. Já estava começando a achar que tinha algo de errado comigo quando ele me empurrou até a parede e juntou nossos lábios com urgência. Meus olhos se arregalaram e eu demorei até raciocinar o que estava acontecendo. Meu corpo todo se arrepiou e eu já estava quase o empurrando quando sua língua adentrou minha boca. Nesse momento eu já não sabia de mais nada do que estava acontecendo e muito menos se eu devia parar, só o que eu sabia era que aquilo era bom, muito bom, e eu poderia beijá-lo durante muito tempo.
Assim que o ar faltou, seus lábios foram de encontro ao meu pescoço, onde ele distribuiu beijos e algumas mordidas de leve, o suficiente para eu sentir minhas pernas amolecerem. Eu desabaria caso ele não estivesse me segurando tão forte.

Justin POV
O que eu estava fazendo? Eu não sabia, não fazia a mínima ideia, eu só sabia que precisava sentir o corpo daquela mulher contra o meu mais do que tudo que já quis na minha vida. Nada se passava na minha cabeça enquanto eu a beijava, só conseguia pensar em seu corpo, no quanto ele parecia incrível mesmo coberto com todas aquelas roupas.
Um gemido baixo e rouco saiu de sua boca quando eu dei um chupão em seu pescoço, que com certeza deixaria marcas. Esse som foi o suficiente para eu sentir meu amiguinho lá de baixo dar sinal de vida. A peguei no colo e ela entrelaçou suas pernas na minha cintura, então caminhei até aquela porta metálica que eu nunca usava. O elevador demorou poucos segundos até chegar no primeiro andar, mas quando chegou eu entrei nele rapidamente, apertando o botão do quarto andar em seguida.
- O que nós estamos fazendo, Bieber? - Ela perguntou baixo após separarmos nossos lábios para buscar um pouco de ar. Olhei em seus olhos e sorri.
- Eu também não sei, Liv. - A chamei por seu apelido pela primeira vez e ela sorriu, provavelmente reparando isso. Então a beijei novamente, sentindo ela remexer sua cintura me causando um enorme prazer.
Meu quarto era o único cômodo daquele andar então eu não errei a porta. As luzes se acenderam assim que nós entramos. Fechei a porta com o pé e a tranquei, pois não queria ninguém atrapalhando o que estava prestes a acontecer.
Sentei na cama com Olivia ainda em meu colo e ela separou nossos lábios, me empurrando na cama. Sorri com o ato e coloquei meus braços atrás da cabeça, deixando que ela tomasse o controle.
Olivia engatinhou por cima de mim até juntar nossos lábios novamente e enquanto nos beijávamos suas mãos foram ágeis em tirar a minha camisa. Ela tentou ser discreta, mas eu pude ver ela me analisando e depois mordendo o lábio inferior.
Nos virei na cama, agora ficando por cima. Não gostava de que me controlassem por muito tempo. Me encaixei entre suas pernas de modo que nossas intimidades se esbarrassem por cima daquele monte de pano, então a beijei novamente e levei uma das minhas mãos até um dos seus seios, o massageando e ouvindo seu gemido mais uma vez. Cara, ela estava me enlouquecendo!
Removi sua blusa e seu sutiã com rapidez e deixei meus lábios tocarem levemente seus seios, sentindo eles se enrijecerem imediatamente. Suguei um deles com vontade enquanto massageava o outro e ela gemia cada vez mais, me deixando cada vez mais excitado.
Após me certificar que seus dois seios estavam bem enrijecidos, fiz um caminho de beijos até o cós de sua calça, desabotoei-a e a tirei com rapidez, deixando Olivia apenas com uma calcinha preta, que também não ficou muito tempo ali.
Assim que minha língua tocou seu clítoris, Olivia arqueou um pouco o corpo, me fazendo dar um sorrisinho satisfeito por estar causando esse efeito nela. Fiz movimentos rápidos e precisos e quando senti que Olivia estava chegando ao seu ápice eu parei. Não queria que ela gozasse antes de me sentir dentro dela.
Ela me olhou emburrada por eu ter parado e eu ri enquanto subia novamente pelo seu corpo e a beijava. Olivia separou nossos lábios e me virou na cama, ficando no controle mais uma vez. Assim como eu, ela também retirou minha calça e minha cueca com rapidez. Quando sua boca tocou meu pênis, não pude deixar de soltar um gemido baixo. Parecia que já tínhamos transado milhares de vezes porque ela sabia cada lugar que deveria tocar e cada movimento que deveria fazer, me deixando cada vez mais enlouquecido. Eu precisava de um contato mais íntimo urgentemente.
- Olivia. - A chamei com a voz ofegante e ela me olhou sem parar o que estava fazendo. - Acho que já tá bom aí. - Falei e ela riu.
- Apressado. - Ela então deu um beijinho no meu pênis, o que me fez rir, e engatinhou novamente para cima de mim. Nós viramos mais uma vez na cama e eu a beijei, mas antes que pudesse penetrá-la, ela me parou. A olhei com a sobrancelha arqueada pensando no que ela diria. Eu não queria parar agora, queria ir até o fim.
- A camisinha. - Falou e eu suspirei aliviado. Estiquei meu corpo o suficiente para que pudesse alcançar o criado-mudo e peguei uma camisinha na primeira gaveta, entregando-a para Olivia depois.
- Não devemos pensar só com a cabeça de baixo. - Falei observando ela colocar aquele treco em mim e ela riu alto, deitando novamente após tudo pronto.
Me posicionei entre suas pernas e entrelacei nossas mãos antes de finalmente penetrá-la. Ela gemeu enquanto eu me movimentava lentamente dentro dela para acostumarmos e conforme os movimentos foram aumentado, seus gemidos foram ficando mais altos. Se eu soubesse que fazer sexo com ela era tão bom eu com certeza já teria feito isso antes.
- Justin... - Ela gemeu meu nome e... porra! Eu não tenho palavras para descrever o quanto ouvir ela gemer meu nome me enlouquecia. - Não para, por favor. - Falou ofegante, enquanto eu olhava seu corpo balançar para cima e para baixo conforme eu a penetrava.
- Eu não vou parar, babe. - Sussurrei no seu ouvido e ela gemeu mais alto.
Nos troquei de posição, dessa vez deixando Olivia por cima de mim. Apertei sua bunda com força enquanto sentia ela deslizar em meu membro. Seus seios pulavam enquanto ela cavalgava e aquela parecia a visão do paraíso.
Senti o corpo de Olivia enrijecer e tomei o controle da situação novamente, ficando por cima dela de novo. Aumentei a velocidade das entocadas e ela começou a ter espasmos, logo depois chegando ao seu ápice. Precisei penetrá-la mais algumas vezes, então meu membro enrijeceu mais e eu explodi dentro dela, soltando um gemido ao finalmente chegar ao meu ápice.
Caí ao seu lado na cama, exausto. Por um momento nós só ouvíamos o barulho de nossas respirações irregulares.
- Você foi incrível. - Falei sorrindo e virei minha cabeça para olhá-la. Ela fitava o teto e alguns fios de cabelo estavam colados em seu rosto. - O que houve?
- Não é nada, é só que...
- Shhh. - A interrompi juntando nossos lábios. Eu já sabia o que ela ia falar. - Vamos pensar nisso amanhã. - Ela assentiu e eu a puxei para meus braços, a envolvendo.
Apertei o interruptor que tinha do lado da cama e apaguei a luz, mas antes de dormir eu fiquei pensando um pouco. Talvez eu não tenha seguido o meu próprio conselho de "não pensar só com a cabeça de baixo" quando decidi transar com Olivia.



Ooooooi!
Talvez vocês estejam bravas pela demora, mas eu decidi compensar com esse capítulo! Finalmente algo aconteceu entre esses dois *u*
Espero que vocês gostem desse capítulo tanto quanto eu gostei :)
Obrigada pelos comentários no capítulo anterior e pelos "Feliz aniversário" hahaha Já disse que vocês são demais? <3
Depois vou postar mais um "Envie sua fanfic", ok? Não deixem de enviar as oneshots de vocêsss!
E ah! Se quiserem ser afiliados, é só me colocar como afiliado no seu blog que eu te coloco aqui, ok? :D
Contem aí nos comentários o que vocês acharam desse capítulo e até logo!
Beijos ;*

Divulgando:
http://fanficsdanina.blogspot.com/
http://imaginandobeliebersonha.blogspot.com.br/
http://imagines-com-justin-bieber.blogspot.com.br/

13 comentários:

  1. OMB oq foi isso???
    Que capítulo perfeito *o*
    CONTINUA LOGO GAROTA

    ResponderExcluir
  2. Tirando a parte em que eu nao pude ler o hot. :'( ... Esse CAP ta maravilhoso mais cara .. Eles vão dormir e o pessoal lá em baixo ? Vai deixar o povoa sozinho? E a Hailey? Caraça mulek kkk ...


    Continua amore !

    ResponderExcluir
  3. que perfeito, continua

    ResponderExcluir
  4. Flor, como é que faz para mandar uma oneshot? Eu não vi quando vc explicou, entao me explica pfvr? Um bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só acessar esse link que vai ter tudo explicado :) http://iimagine-beliieber.blogspot.com.br/p/envie-sua-fanfic.html

      Excluir
  5. OMB n acredito q vc fez issobcom meu core! Pelo amor de Deus continua!

    ResponderExcluir
  6. AMEI AMEI , ISSO É PERFEITO, COMO PODE??
    Continua
    Ei anjo, eu acabei de criar meu blog, poderia divulgar? Agradeço (http://red-queenfanfics.blogspot.com.br/)
    Bejinhoos**

    ResponderExcluir
  7. Bia, meu Deus! Você arrasa, mulher. Tipo, você sempre surpreende, mas esse capítulo... PQP! Lacrou. Agora mal posso esperar para o próximo capítulo pra ver a consequência da safadeza desses dois. heuheueheu Paray. Enfim, continua logo moça!

    Poderia divulgar novamente o MDB, por favor? *-* mundodebelieberjb.blogspot.com.br

    BEIJOS ♥.

    ResponderExcluir
  8. Awn, tá linda a Ib ♥

    ResponderExcluir
  9. Eu amooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo vcs meninas

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.