17/01/2015

All Yours: Capítulo 5 - Party pt. 2 + Lunch

| |
"Por que eu, eu posso ser tudo que você precisa. Se você é a pessoa certa pra mim, como a gravidade eu serei imparável. Eu acredito em destino, eu posso ser um cara comum, mas se você é a pessoa certa pra mim então eu serei seu herói."(Hero - Trilha sonora do filme Starstruck)

Eu estava no bar concentrada na minha bebida quando algo vermelho chamou minha atenção. Logo reparei que era a jaqueta de Justin e ele se aproximava novamente de mim, dessa vez sem nenhuma vadia com ele. Fingi não repará-lo e bebi um pouco da minha bebida.
- Oi. – Sentou ao meu lado.
- Oi. – Falei sem olhá-lo, aliás ele também não me olhava e parecia pensar em algo.
- Preciso conversar com alguém. – Dessa vez eu o olhei e ele estava olhando fixamente para um copo vazio em cima do bar.
- Cadê seus amigos? - Falei antes de beber mais um pouco.
- Amigo de confiança só tem o Khalil, mas ele tá ocupado com aquelas duas. – Ele apontou para o tal de Khalil que dançava no meio das duas putas. – Você poderia conversar comigo?
- E o que faz você pensar que eu sou de confiança? – Ele riu.
- Você não tem cara de quem sairia falando sobre a vida de um cara de 20 anos por aí. E além do mais, eu estou bêbado. – Dessa vez eu que ri. – Então, vamos ou não?
- Ok, Bieber. Você me convenceu. – Falei sorrindo e ele retribuiu o sorriso, saindo andando na minha frente. Eu o segui até chegarmos no jardim da parte de trás de casa que era ainda mais bonito do que o da frente e onde a música não estava tão alta. Nós sentamos em um banco e ficamos em silêncio total até Justin decidir falar.
- Sabe, tem uma garota aí. – Ele disse e pegou seu celular no bolso de sua calça. Mexeu em algo na tela e então me mostrou a foto de uma garota morena muito bonita.
- Ela é linda.
- Sim, ela é. E maluca também. Essa garota não desgruda do meu pé. Tipo, eu dei uns pegas nela, mas não foi nada demais e agora ela fica atrás de mim o tempo todo. – Ri do jeito que ele falou. Justin definitivamente era engraçado, ainda mais quando estava bêbado.
- Acho que você ganhou o coração dela. – Ele me olhou assustado.
- Mas eu não quero o coração dela! – Falou alto, me causando mais risadas. – Ela tá exagerando, só essa noite me mandou umas 30 mensagens.
- Uau, essa garota te quer mesmo. – Ele bufou. – Abre o jogo com ela, Justin.
- Ela vai me odiar.
- Só por um tempo, depois passa. A culpa é dela de ficar criando sentimentos por qualquer um que ela pega.
- Você é experiente nisso. – Eu ri.
- Quando mais nova eu também não sabia o que é só pegar alguém.
- Não te imagino “pegando” alguém. – Falou me olhando com as sobrancelhas arqueadas. – Você tem cara de ser santa.
- Não saio pegando todo mundo, mas estou longe de ser santa. – Justin riu.
- Está me surpreendendo. – Falou pegando seu celular novamente. – Vou ligar pra maluca. – Digitou algo no celular, mas eu o interrompi puxando o celular de sua mão.
- Faça isso quando estiver sóbrio. – Ele riu assentindo.
- É melhor. – Falou. – Obrigado pelas dicas, senhorita não-santa. – Bati em braço com força, o fazendo soltar um gemido.
- Babaca. Não me chame assim. – Riu, enquanto esfregava o local que eu bati.
- Você tem a mão pesada, credo. – Disse levantando do banco. – Foi bom conversar com você, mas agora minhas mulheres me esperam. – Eu ri. Achava muito engraçado o fato de que ele se achava o maior pegador do mundo.
- Vai lá garanhão. – Ele acenou rindo e adentrou novamente a casa.
Fiquei sentada no mesmo lugar o resto da festa, apenas entrando na casa para pegar algo para beber.

Só fui encontrar Justin novamente uma semana depois. Durante esse tempo eu me peguei pensando nele algumas vezes e até cheguei a pensar se eu não estava me tornando uma fã, o que me causava umas boas risadas. 
Era o primeiro sábado de férias, as aulas tinham terminado um dia antes, e eu estava na recepção da West Coast Customs de Los Angeles esperando pelo meu pai para almoçar. Ele estava supervisionando a reforma do carro do Justin.
- Vai demorar muito aí, pai? – Perguntei da porta da oficina. Eu estava impaciente, já estava esperando por uns 20 minutos.
- Já estou indo. – Ele falou e eu suspirei, voltando para a recepção. Enquanto caminhava até a porta de entrada para ir comprar uma água pude ver uma Ferrari branca estacionar em frente a porta.
Meus passos diminuíram, não porque eu fiquei chocada ou algo assim, eu só queria ter a chance de apreciá-lo de novo. Céus, ele era tão bonito que eu poderia olhar o dia todo para seu rosto, mesmo ele sendo meio idiota às vezes.
Ao adentrar a recepção da oficina ele retirou seus óculos escuros, então seus olhos bateram em mim e um sorriso discreto brotou em seus lábios enquanto ele me olhava dos pés à cabeça. Nesse momento me equilibrar em cima do salto que eu usava parecia ser a coisa mais difícil do mundo.
- Olá, Olivia. – Falou ao se aproximar e então passou a língua nos lábios de uma forma muito sedutora. Justin Bieber estava flertando comigo? Fiquei com vontade de rir ao pensar nisso.
- Oi, Justin. Tudo bem? – Perguntei e abri o meu melhor sorriso.
- Tudo, obrigada por perguntar. Seu pai está aí? – Seu olhar se direcionou para a porta atrás de mim que dava para a oficina.
- Está lá dentro.
- Vou indo então. Foi bom te ver, Olivia. Até logo. – Ele sorriu e passou por mim, sem me dar a chance de responder.
O acompanhei com o olhar até ele e seu guarda-costas atravessarem a porta, então suspirei novamente. Eu só consegui ter uma conversa decente com ele e as outras ele estava bêbado, então não conta. Eu queria descobrir quem é o verdadeiro Justin, aquele de antes da fama, porque o Justin atual parece um baú de mistérios. Cada vez que você o encontra ele está de um jeito.
Mudei meus pensamentos para a minha fome. Droga, eu teria que esperar ainda mais para almoçar agora que Justin chegou. Será que ele não podia vir mais tarde, depois que eu não sentisse mais fome?
Barulhos de passos se aproximando interromperam meus pensamentos e eu virei para ter novamente uma visão de Justin. Seu cabelo estava meio bagunçado, mas mesmo assim estava muito bonito e estiloso. Ele usava calça preta, uma jaqueta de couro da mesma cor, tinha correntes douradas penduradas no pescoço e um tênis azul estava em seus pés, que batiam impacientemente no chão.
- Você precisa de algo? – Perguntei o vendo sentar em um sofá que havia ali. Seu guarda-costas ficou em pé do seu lado.
- Não, obrigada. – Sorriu de uma forma gentil. – Só estou esperando Ryan para almoçarmos. – Arqueei minhas sobrancelhas. Muito legal da parte do meu pai me chamar para almoçar e depois chamar Justin também. O que era pra ser um almoço agradável entre pai e filha se tornaria um almoço em que eu teria que me controlar para agir normalmente na frente de todas as pessoas e paparazzis que ficariam prestando atenção em nós o tempo todo.
Nós não trocamos mais nenhuma palavra e Justin começou a conversar baixo com seu guarda-costas. Logo meu pai apareceu e parou do meu lado.
- Podemos ir? – Ele perguntou à Justin, que assentiu e levantou. – Olivia vai almoçar conosco, tudo bem? – Acho que o certo seria “O Justin vai almoçar conosco, Liv”.
- Claro. – Justin sorriu. – Se ela não se importar em ter algumas fotos nossas na internet.
- Eu não me importo. – Falei. – Eu acho... – Sussurrei e engoli em seco. Eu não quero fotos minhas na internet!
[...]
Não posso falar que estava tudo normal no restaurante, até porque não estava. Logo que chegamos fomos recebidos por ninguém menos que o gerente, aquele cara que está sempre com a cara fechada mas que dessa vez não parava de sorrir um minuto. Ele nos deu uma mesa mais afastada de todos e prometeu que colocaria seguranças para controlarem os paparazzis que tentavam a qualquer custo entrar no restaurante. Nós fizemos nossos pedidos e eu juro que chegou em menos de 10 minutos, coisa que raramente acontecia.
- E esse é mais um lado bom de ser famoso. - Justin disse logo após que o garçom nos serviu. - Eu nunca espero mais do que 10 minutos. - Falou abocanhando um pouco de sua comida.
- Isso deve ser ótimo. - Falei com deboche e ele me olhou com a sobrancelha arqueada. Ninguém manda ficar se gabando.
- É ótimo sim. - Bebeu um pouco do seu refrigerante. - E como está o carro, Ryan? - Perguntou ao meu pai que há pouco tempo tinha me olhado com uma cara feia por causado meu deboche.
- Quase pronto. Mais uns três dias e você já pode buscá-lo. - Justin sorriu, demonstrando ansiedade.
- Só três dias? Eu pensei que essas coisas demorassem. - Perguntei me intrometendo na conversa deles.
- E demora, mas já estamos trabalhando no carro do Justin há algumas semanas, desde antes de eu vim para Los Angeles. - Dei de ombros. - Nós terminamos de mudar os estofados hoje. Aquele couro que você escolheu ficou muito bom. - Falou voltando sua atenção para Justin.
- Cara, eu não vejo a hora de pegar meu carro. - Meu pai riu. - Vou levar umas gatinhas pra dar uma volta. - Os dois riram, mas eu revirei meus olhos. O fato dele se achar um grande pegador só era engraçado quando ele estava bêbado. Com ele sóbrio parecia estúpido. - E falando em mulheres... - Passou a me olhar. - Obrigada pelas dicas na festa, Olivia. Eu consegui me livrar da maluca lá.
- Não há de que. - Ele sorriu.
- Não sabia que vocês tinham se falado na festa. - Meu pai falou.
- Olivia me ajudou com uma garota aí e nós dançamos um pouco também, apesar de eu não me lembrar de muita coisa. - O reprimi com olhar. Não era pra ele ter falado isso porque agora meu pai ficaria me perguntando as coisas igual ele sempre fazia quando descobria que eu estava com algum garoto.
Meu pai apenas deu de ombros e me olhou, o que já foi o suficiente para eu saber que mais tarde nós conversaríamos.
O almoço fluiu de forma normal, apenas com meu pai e Justin falando sobre carros e sobre os países em comum que os dois já conheceram, então eu me mantive em silêncio, ouvindo tudo sem muita atenção.
[...]
- Está tudo bem pra você, Liv? - Meu pai perguntou atrapalhando meu pensamentos. Estava lembrando de Bethany e do quanto ela fazia falta.
- O que? Não ouvi, desculpa. - Ele riu fraco, balançando a cabeça.
- Você anda meio distante ultimamente. - Falou. - Você pode fazer companhia pro Justin? Preciso ir no banco, mas volto rápido.
- Posso. - Eu não tinha outra escolha. Eu ia dizer que não queria ficar sozinha com ele? Claro que não, até porque seria bom poder passar um tempo com o Justin normal, o mesmo que foi na minha casa.
- Tudo bem então. Já volto. - Ele falou e saiu, deixando eu e Justin ali. Ficamos em silêncio por alguns instantes porque como eu já disse, sentia medo de ser invasiva. Não queria que uma celebridade me odiasse.
- A garota ficou muito puta comigo. - Falou e logo depois riu. - Estou me sentindo mal, sério.
- Não tinha outro jeito de se livrar dela. Só se você trocasse de número e fosse pra algum lugar onde ela não te encontraria. - Ele riu.
- Do jeito que eu fiz é melhor. - Ri. - Mas e você? - O olhei com as sobrancelhas arqueadas, expressando confusão.
- O que tem eu?
- Seu pai disse que você anda meio distante. Aconteceu algo?
- Não aconteceu nada.
- Poxa, Olivia. - Falou com uma cara de tristeza. - Eu confiei em você, agora é a sua vez - Suspirei.
- O que uma pessoa curiosa não consegue... Ok, Bieber, eu vou contar. - Ele sorriu animado e senti vontade de rir. - Meu ex-namorado me traiu com a minha melhor amiga e eu vi tudo. O pior é que o desgraçado disse que não tem culpa porque estava bêbado. Babaca! - Falei tudo de uma vez e Justin me ouvia com atenção.
- Babaca mesmo! - Ele quase gritou, imitando o meu tom de voz, e eu gargalhei. - Mas é sério. - Ele bebeu um pouco do refrigerante e voltou a falar. - Esse cara merece ficar sozinho pra sempre.
- Também acho.
- E a sua amiga?
- Nem me procurou. É assim que nós vemos quem vale a pena. - Soltei um longo suspiro.
- Não fica assim, Olivia. Às vezes coisas ruins acontecem para outras melhores acontecerem. - Sorri fraco. Cada vez eu me surpreendia mais com Justin e via o quanto ele era uma boa pessoa, apesar de todas as coisas que as pessoas falam sobre ele. Acho que todos deveriam ter a chance de conhecer o verdadeiro Justin, esse que está sentado na minha frente, pois só assim veriam que ele não é aquilo que os jornais falam. - E sabe, eu não te conheço bem e muito menos essas pessoas sobre a qual você falou, mas eu tenho certeza que eles não te merecem. Você é uma ótima pessoa, logo vai achar um cara que te mereça. - Ele sorriu pra mim. Senti minhas bochechas esquentarem e eu rezava para que Justin não percebesse isso. Eu sempre ficava envergonhada quando me faziam algum tipo de elogio. - Você está vermelha! - Ele falou rindo e eu fechei os olhos, escondendo meu rosto em minhas mãos.
- Para com isso, Justin! - Ele riu mais ainda e eu passei a olhá-lo. - Vai me deixar com mais vergonha ainda. Eu sempre fico com vergonha quando alguém que não é muito próximo me elogia de alguma forma.
- Então te elogiarei sempre que te encontrar só pra te deixar com vergonha. - Revirei os olhos.
- Que adulto da sua parte. - Ele riu.
- Gosto de ser infantil às vezes. Não devemos levar a vida tão a sério, ainda mais quando se tem o trabalho que eu tenho. - Falou e eu o olhei com admiração, sorrindo em seguida.
- Você não se parece com o Justin Bieber que eu vejo nos noticiários. - Ele sorriu.
- E eu não sou. Na verdade só existe 15% desse Justin em mim, porque vamos combinar que às vezes eu faço umas coisas meio loucas. - Ele riu e antes que eu pudesse responder, meu pai retornou ao restaurante, sentando à mesa novamente e eu suspirei frustrada. Queria continuar essa conversa sobre fama com Justin, mas deixaria para outra hora.



Oi gente!!!
O BLOG CHEGOU A 2 MILHÕES DE VISUALIZAÇÕES! EU NÃO TO ACREDITANDO KASJDASKÇDSK TO MUITO FELIZ E ISSO TUDO É GRAÇAS A VOCÊS! VOCÊS SÃO DEMAIS, NA BOA <3 OBRIGADA POR ISSO GENTE
Parando com meu escândalo... gente, eu sei que to demorando a postar ok? Não precisa ficar comentando que tem que vim aqui todo dia ver. Primeiramente, se você acompanha um blog vc tem que entrar todo dia mesmo até pq não dá pra adivinhar quando vão postar né? Segundo que vcs que ficam reclamando que eu demoro tem que entender que escrever capítulos de qualidade não é fácil, toma muito tempo, não dá pra passar o dia todo escrevendo. Isso não é meu trabalho, é só diversão e eu não quero que se torne uma obrigação. Não quero parecer rude, por favor, não me leve a mal, mas é que eu não entendo qual a dificuldade que vocês têm em entender isso.
E você que comentou que vai abandonar a fic, eu sinto muito ok? Mas não vai dar mesmo pra postar todo dia. E o blog não tá indo por água a baixo. Eu só cresci. Tenho quase 18 anos, estou indo pra faculdade, não sou mais a garota de 14 anos que ficava o dia todo conectada no blog escrevendo. Só queria que vocês entendessem isso :'(
Beijos, até o próximo capítulo e obrigada a todas vocês que me dão apoio e conseguem me entender. E obrigada mais uma vez pelos 2 milhões de views. <3

Divulgando:
http://fanficsdanina.blogspot.com.br/
http://belieberslovejustinbiebs.blogspot.com.br/
http://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-barbara-palvin-thought-of-you-2963225

10 comentários:

  1. Realmente vc está certa, fazer oq é a vida?! Bom seu capítulo foi ótimo espero q continue logo!!!

    ResponderExcluir
  2. Acompanho um blog e a menina trabalha de dia e estuda a noite mas ela me disse que sempre que tem uma brecha ela consegue postar. Ela marca dias segunta e quarta e sábado ela sempre posta e quando não dá ela faz um big ou posta 2 . Já Você pede desculpa e posta um capítulo e nao aconteceu exatamente nada nesse capítulo :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela consegue, mas eu não. E não aconteceu nada nessr capítulo pq estou tentando fazer algo mais próximo da realidade.

      Excluir
    2. Acontece que aqui não é realidade. E a gente espera muito tempo por 1 capítulo e vc traz esse ? Mds

      Excluir
  3. Eu adoro sua fic... eu acho que demora,mas eu entendo... não é facil mesmo escrever capitulos tão bons na pressa... e eu nao vou te abandonar,nem a Anna.❤
    Bjs até o proximo capitulooo...

    ResponderExcluir
  4. Continuaas, q fofos eles, e depois q o carro tiver pronto cmo eles iram se ver ? To mega ansiosa, e o obrigada por divulgar a minha fanfic. Mas eu gostaria de saber se vc ler alguma, e se sim qual vc ja leu q mais gostou ? Xoxo

    ResponderExcluir
  5. Puta que pariu que povo chato!
    Não liga pra isso não. Eu adorei o capitulo! As pessoas tem que entender que você cresceu e que não tem mais tanto tempo puq está ocupada agora!
    Se você (pra filha lá em cima) gostasse da fic de verdade, respeitaria ao menos a nossa autora, aprenda a respeitar os outros!
    Adorei o capitulo, to esperando por maissss ��
    Beijao

    ResponderExcluir
  6. Bom, acho que as meninas que leem tem que entender que você não vive de fanfic. (Quase) Ninguém ganha a vida com isso aqui e é o seu passatempo. Se não gosta, pra que lê então? Sério, pessoas que comentam em anônimo apenas pra criticar são tão ridículas que me tiram do sério. NUNCA deixe que ninguém tente mudar o seu estilo de escrita, porque é sensacional!
    Enfim, olá! >.< Sou leitora desde Little London Girl, porém só agora fiz uma conta. Bom, o capítulo ESTÁ SIM um amor e eu não me importo de esperar se for pra você trazer ótimos capítulos como esse. Se as leitoras esperam um conto de fadas com um romance que nasce do nada, que assistam Cinderela, da Disney. Está ótimo, sério. ♥

    Ah, acabei de começar um blog de resources pra ajudar beliebers e também outras pessoas e se você seguisse/divulgasse meu blog, ia estar me dando uma big força, pra que eu dê uma forcinha aos outros também. Então, por favor?! ^-^

    Beijos e continua logo mulher. | http://jb-things.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Podia ter trazido um cap mais legal :(
    Meu nome é Raissa. Não tenho um blog pq só mexo no celular.

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.