12/12/2013

Only Best Friends: Capítulo 12 - I Love You

| |

Katherine Collins POV
Abri novamente meus olhos tentando me acostumar com a claridade do quarto. Sentei na cama e me enrolei no lençol já que estava nuaRealmente, não tinha sido um sonho. Comecei a brincar com meus dedos e automaticamente sorri ao lembrar da noite passada. Eu ainda não acreditava no que havia acontecido.
A porta foi aberta e Justin entrou somente de cueca box, quando me viu sorriu.
— Bom dia dorminhoca! — sentou-se ao meu lado, colocou uma mão em minha perna, que estava coberta pelo lençol, e me deu um selinho.
— Bom dia! – respondi e soltei uma risada fraca.
— Estava vindo te acordar para tomarmos café juntos — acariciou minha perna.
— Bom, já estou acordada. Só preciso me vestir — ele assentiu e pegou a minha lingerie que estava no chão — Obrigada.
Justin se levantou e foi para o banheiro, deixando a porta aberta. Enquanto isso, eu vesti meu sutiã e minha calcinha. Peguei minha camisola e a vesti, caminhei até o banheiro e Justin estava lavando a mão. O abracei por trás e beijei suas costas.
— Espero que tenha sido como imaginou — ele disse me olhando pelo espelho, sorri fraco e apoiei meu queixo em seu ombro — Como eu fui? Quer dizer, você... você gostou? – perguntou preocupado. O soltei e entrei em sua frente me sentando na pia.
— Como você foi? Se eu gostei? — dei risada — Justin foi... incrível. Você foi perfeito — ele sorriu — Jamais conseguiria imaginar sendo melhor — ele encostou seus lábios nos meus.
— Obrigado — ele sussurrou entre o selinho – Obrigado por confiar em mim.
— Eu que tenho que agradecer. Sendo com você, sem dúvida alguma, não poderia ter sido mais especial. Eu nunca vou me esquecer.
— Eu também não. Jamais — e então ele me beijou, levei minhas mãos em volta de seu pescoço e o puxei para mais perto. Suas duas mãos foram para minha cintura e ficou ali. Sua língua encontrou com a minha e senti os lábios de Justin formar um pequeno sorriso. Mordi seu lábio inferior e o puxei para mim voltando a beija-lo em seguida. Seu hálito tinha gosto de menta fresca e isso me fazia ficar arrepiada, deslizei minha mão sobre seu peitoral e depois para suas costas, fui o arranhando até chegar em sua bunda. Onde, não conseguindo resistir, apertei forte fazendo Justin parar de me beijar e rir.
— Que foi isso? — perguntou ainda rindo.
— Um pouquinho do que fez ontem comigo — dei de ombros, Justin mordeu os lábios sensualmente e me deu um selinho – Posso confessar uma coisa?
— Pode — respondeu sorrindo torto, lhe dei um selinho e depois olhei em seus olhos.
— Você é muito gostoso — falei sorrindo e ele riu.
— Ah é? — assenti e ele riu de novo — E eu posso confessar uma coisa? Uma não, duas?
— Pode.
— Primeira; eu posso ser gostoso, mas não mais que você – ri.
— Idiota. Qual a outra? – ele aproximou sua boca do meu ouvido e sussurrou.
— Que eu sou completamente louco por você!


Assim que Justin saiu do chuveiro, fui tomar um banho. Não demorei muito porque o idiota ficava gritando a todo instante, eu não entendia palavra alguma que ele falava.
Sai do chuveiro e vesti minha lingerie que havia trago comigo. Não é porque Justin me viu pelada, vou ficar andando por aí desprovida de panos. Abri a porta e ele estava com os arregalados. 
— O que foi? — perguntei rindo da sua cara.
— Eles descobriram.
— Quem descobriu o que?
— Os paparazzi, eles tiraram fotos nossas nos beijando — dessa vez eu arregalei os olhos.
— Diga que não é verdade.
— Queria pode dizer isso. Eles te intitularam de "a garota Bieber" — revirei os olhos.
— O que não é verdade — olhei para ele — Não é?
— Eu não te pedi em namoro ainda — dei risada.
— Bom uma hora ou outras eles iriam descobrir — sentei na cama.
— Achei que ficaria desesperada — dei de ombros.
— Vai adiantar alguma coisa? — olhei para ele e o mesmo negou.
— Ainda quer sair? Quer dizer, podem tirar mais fotos nossas.
— Acha mesmo que vou perder minha viagem a Roma por causa das bostas dessas fotos? — ele sorriu e me deu um selinho. Me levantei e fui até o armário. Alguns minutos depois eu já estava vestida, passei um leve maquiagem e me virei para Justin.
— Hum... Estilo patricinha — veio ate mim.
— Ah fica quieto! 
— Esse BJ é de Big Jerry? — levantou e abaixou a sobrancelha diversas vezes.
— Não — respondi com tédio — É de bolo judeu ou de jabuticaba, tanto faz. 
— Nossa, depois dessa enfiava minha cabeça no bueiro e não saía mais.
— Que drama — dei um selinho nele — Vamos sair agora?
— Vamos. 
Vou resumir o resto da nossa tarde; conhecemos praticamente Roma inteira. Simplesmente encantadora e cheia de segredos. Realizei meu sonho vindo para cá — dois sonhos para ser mais exata — Comemos as comidas típicas daqui, são boas, porém, diferentes. Acho que, além de tudo isso, foi bom porque não fomos incomodados por paparazzi. Para falar a verdade acho que ninguém percebeu que Justin Bieber andava pelas ruas romanas.
Quando fomos perceber já havia escurecido. Eu e Justin estávamos caminhando de volta para o carro, seu braço estava em volta do meu pescoço, enquanto os meus abraçavam sua cintura. 
— Temos mais um dia aqui — ele disse — O quer fazer amanhã?
— Nós podemos almoçar fora, depois ficamos em casa. Acho que conhecemos Roma inteira hoje — ele assentiu e depois beijou minha testa. Dois minutos depois chegamos no carro, entramos e Justin partiu em direção a casa onde estávamos hospedados. O caminho foi em silêncio e mais demorado do que a vinda. O que foi quinze minutos parece que duraram três horas. Assim que Justin estacionou, abri minha porta e sai caminhando lentamente. Parei na porta e peguei a chave em minha bolsa, destranquei-a e entrei casa á dentro. Estava indo subir as escadas quando meu braço é puxado brutalmente, meu corpo bateu fortemente com o de Justin — O que foi? — perguntei mais ele não respondeu, somente colou nossos lábios. Sua língua adentrou minha boca sorrateiramente e começou a explorar minha boca. Justin colocou suas mãos em meu rosto e aprofundou o beijo mais ainda. A necessidade de ar foi vindo em meus pulmões, então encerrei o beijo com a respiração ofegante. Ainda com os olhos fechados e com a boca entreaberta encostada em seus lábios, eu sorri fraco e deslizei minhas mãos em seu peitoral. Abri meus olhos lentamente e olhei para Justin que permanecia com os seus fechados e a testa franzida. 
— Justin, o que foi? — perguntei preocupada. 
— Kath... — ele sussurrou. 
— Você está estranho — coloquei minha mão na sua bochecha — Está quieto desde quando nós... — ele me interrompeu
— Katherine, eu te amo! — tirei minha mão rapidamente da sua bochecha e arregalei meus olhos — Eu te amo, estou apaixonado por você. E não tem como mais esconder isso, muito menos me livrar disso. Eu já estava sentindo uma forte atração por você, mais depois de ontem... — ele pausou — Ontem só me confirmou tudo.
Por algum motivo, as lágrimas começaram a escorrer em meu rosto, motivo que desconheço. Dei alguns passos para trás até encostar na parede e tampei minha boca com a mão. 
 Nossa noite não sai um minuto se quer da minha cabeça e...
— Então quer dizer que só porque transamos você me ama? – perguntei grossa, não sei o porquê de estar falando dessa maneira com ele.
— Não, claro que não — ele disse rápido — Eu sabia que estava começando a me apaixonar por você, só não queria te falar por que sabia que sua reação não seria das melhores. E eu tinha razão — apontou para mim.
— Justin isso está fora de cogitação, não tem como...
— Não tem como o que Katherine? — me interrompeu aumentando o tom da sua voz — Eu me apaixonar por você? Tarde demais, eu não escolhi Kath, aconteceu...
— Tá legal, você diz que ontem foi “a confirmação”. Como pode ter tanta certeza disso? O que sexo tem a ver com isso?
— Esse é o problema, você não esta entendendo — ele gesticulou a mão desesperado. Ele tinha razão, eu não estava entendo nada do que ele falava — Não foi só sexo, não para mim. A minha intenção era te dar o que você tanto queria. Só que eu não imaginava que seria a primeira vez que eu estaria fazendo amor — ele pausou respirando fundo — Deu para entender agora? Nós não fizemos sexo Katherine, fizemos amor!
Se não bastasse ele dizer que me amava, também disse que fizemos amor. Por mais que eu não fosse experiente nessa área, eu sabia muito bem a diferença de “só sexo” e de “fazer amor”. E escutar da boca de Justin que foi mais do que “só sexo” com certeza foi um choque para mim.
Em momento algum eu imaginava que nosso lance chegaria a esse nível. Eu sou tola demais, é claro que um dia nós acabaríamos assim, se apaixonando, só que eu esperava que fosse eu, não Justin. Eu esperava que fosse demorar, que não fosse tão rápido assim.
— E para um homem – continuou Justin depois de certo silêncio — essa é a confirmação mais segura de que ele esta amando uma mulher.
Ele ficou parado me olhando, esperando alguma resposta. Talvez um “eu te amo também”, mais eu estaria mentindo se dissesse isso. Quer dizer, eu sentia algo por ele mais não sabia se ao certo era amor. Se eu estava apaixonada por ele.
— Eu não esperava que você dissesse a mesma coisa para mim, por que sei que você não sente o mesmo — ele respondeu e parecia que havia uma pitada de decepção na sua voz — Eu só precisava que você soubesse sobre meus sentimentos, Kath. Como minha melhor amiga, você deve saber que não sou o tipo de homem que tem medo de se expressar, que guarda as coisas — respirou fundo e fitou o chão, depois levantou seu olhar para mim, que por sua vez estavam brilhando por conta das lágrimas — Eu te amo Kath e eu sinto muito por isso.
Ele andou em minha direção, beijou minha testa e sussurrou;
— Boa noite — se virou indo para escada.
— Justin — o chamei. 
— Hum? — se virou para mim. Engoli o choro e comprimi os lábios.
— Eu não estou preparada para dizer que também te amo. Mas, se você está disposto a ficar comigo mesmo assim, tenho certeza de que um dia eu possa te dizer o mesmo. Se você continuar me conquistando sei que não ira demorar a chegar. Porque da mesma forma que você, agora eu quero te amar. Mais do que tudo.
Em vez de me responder, ele me beijou, me puxando com força contra si. 
Seu corpo me pressionou contra a parede fria, suas mãos deslizaram pela minha cintura por baixo da blusa de moletom que eu usava. Desde que começamos a nos envolver, confesso que comecei a amar o jeito que ele me segurava. Cuidadoso, mas não muito suave, não tão suave a ponto de dar a sensação de que ele tinha mais controle do que eu. Agora eu podia sentir, podia perceber que ele não conseguia controlar o que sentia por mim, e querendo ou não eu gostava disso. Gostava da forma como o coração de Justin batia contra o meu, gostava quando ele murmurava e arfava quando eu o beijava de volta.
Encerramos o beijo com selinhos seguidos e Justin encostou sua testa na minha, sua respiração descompassada batia em meu rosto me arrepiando. Coloquei minhas mãos em seu rosto e dei um selinho longo nele.
— Well, let me tell you a story  About a girl and a boy  He fell in love with his best friend  When she's around  He feels nothing but joy [...] Who's gonna make you fall in love? I know you got your wall Wrapped all the way around your heart Don't have to be scared at all, oh, my love But you can't fly unless you let ya You can't fly unless you let yourself fall Well, I can tell you're afraid of What this might do Cause we got such an amazing friendship And that you don't wanna lose — Justin cantou sussurrando, com seus lábios colados ao meu. Era impossível não sorrir, era impossível meu coração não disparar — Por favor, não tenha medo de se entregar. Eu sei que você sofreu muito com seu ex-namorado, mas eu juro pela nossa amizade, juro por tudo que é mais sagrado que eu não vou fazer você sofrer. 
— Eu acredito em você Justin — ele sorriu — E eu espero que você acredite em mim também.
— Eu acredito — acariciou minha bochecha — Quer saber no que mais eu acredito?
— Hum?
— Em nós! — corei e ele riu — Deixa eu ver... Jatherine — disse e comecei a rir — ou Jath tanto faz.
— Como você é idiota.
— Vai dizer que você nunca juntou nossos nomes para ver como ficava? — desviei nosso olhar e reprimi uma risada. Droga acabei de me entregar! — Tá vendo, sabia! — riu.
— Ta bom, ta bom. Agora para de me constranger — tombei a cabeça para o lado e Justin me deu um selinho.
— Vamos tomar banho? — Justin perguntou sem graça. Mordi o lábio inferior e olhei para baixo.
— Juntos? 
— É, precisamos ajudar o meio-ambiente. Economizar água entende? — me puxou pelo braço caminhando em direção ao quarto — As pessoas não colaboram, mais vamos fazer nossa parte. O que acha?
Ele virou para mim sorrindo fofo. 

— Super apoio colaborar! Estou dentro!

Oiee! 
Pelo visto gostaram do capítulo anterior hein? Safadenhas
Mais então o que acharam? Justin disse eu te amo awwwn *--*
Se preparem para ver meu lado meloso :)
AAH, a parte que esta cinza eu copiei do livro Cidade dos Anjos Caídos s
só mudei algumas coisinhas e a música que Jus canta é Fall 
Bom, digam o que acharam



15 comentários:

  1. Primeiraaaaaa e ainda leitora nova eeeeeee ki perfeito
    Kamila_karina

    ResponderExcluir
  2. Adorei sua história.
    Sou nova, se pudesse ler a minha por favor.
    Primeira imagine que eu faço.
    Obrigada! :3
    http://imaginemesninadobieber.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Kkkkkkk ri demais. "vamos akidar o.meio ambiente?" Que safado. Meu ela ama ele, certeza. Continua bjs

    ResponderExcluir
  4. Onw't que fofo ele se declarando para ele ♥ Amando demais a Ib, estou in love total *-* Continua logo, please... Beijos mesninas!

    ResponderExcluir
  5. Awnnt que perfeição! Incrivelmente perfeito e fofo! <3

    ResponderExcluir
  6. kra vxê é mtú Diva, seriao! voce me surpreende a cada capitulo!!
    pfrr continuaa *---* sz' sz' sz'
    By: Nutellinha

    ResponderExcluir
  7. Continua por favor muito perfeito *-*

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Amandooooo. Meninas olhem meu blog http://pollover-bipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.