09/12/2013

Only Best Friends: Capítulo 10 - You're beautiful

| |
Odeio pensar positivo. Gosto de pensar negativo porque se der certo vou me 
surpreender e se der errado não vou me decepcionar. 

Justin Bieber POV
Estacionei na frente da casa de Katherine, depois de um longo caminho em silêncio. Suspirei pesado e me virei um pouco no banco.
— Ei! – sussurrei e automaticamente virei o rosto de Kath para ela me olhar — Não quero que fica esse clima tenso só porque falei aquilo – ela revirou os olhos.
— Não é só porque estamos ficando, Justin, que você pode falar essas coisas. Ainda mais sem ter certeza, e se o que você estiver sentindo seja apenas... Sei lá, uma atração? Você não acha que amor seria algo muito forte para o que estamos passando? — fiquei em silêncio — A coisa mais comum entre melhores amigo é confundir os sentimentos, achar que estão apaixonados, mas no fundo não estão. E ai? O que acontece com nossa amizade caso isso acontecer?
— É que eu sinto aqui ó — coloquei a mão em meu peito – algo que eu nunca senti com nenhuma garota muito menos com você, sabe, eu sei que pode parecer estranho mais eu não te vejo mais da mesma forma. Antes eu te via como uma irmã, que eu tinha a obrigação de cuidar, só que agora eu te vejo mais do que isso. Mais do que minha melhor amiga — Kath suspirou e colocou as duas mãos em seu cabelo, demonstrando aflição.
— Eu não quero me apaixonar de novo Justin — ela sussurrou — Você sabe o quanto eu sofri com meu ultimo relacionamento.
— Não estou falando para você se apaixonar por mim. Só estou dizendo para não se proibir de deixar sentir. Não tenta impedir algum sentimento por mim, por favor? — ela assentiu fracamente. Abri a porta e desci do carro dando a volta para abrir a porta para Katherine. Ela saiu e se encostou no carro com os braços cruzados. Segurei suas duas mãos e as coloquei em minha nuca – Não fica assim comigo.
— Assim como? — colei meu corpo no seu e pousei minhas mãos em cada lado de sua cintura.
— Durona! Fria! Você não é assim – aproximei nossos rostos, Kath tentou virar o seu, mas eu não deixei, fiz com que ele olhasse em meus olhos.
— Ás vezes eu tenho vontade de te matar.
— Por que?
— Porque eu não consigo ficar brava com você — sorri — Você vem todo fofo para o meu lado e eu acabo não resistindo – ela disse emburrada.
— Isso é bom, pois é sinal de que nunca vai me recusar um beijo — falei convencido o que fez Katherine cerrar os olhos e me olhar incrédula.
— Como pode ter tanta certeza? – perguntou indignada.
— Assim ó! – sem deixar ela responder, encostei minha boca na sua e a invadi com minha língua. Movi meus lábios lentamente, Kath tentava ao máximo recusar, só que quando eu levei minha mão ate sua bochecha e comecei a acariciar, ela se rendeu e abriu mais seus lábios deixando-me explora-los melhor. O beijo era literalmente calmo e extremamente delicioso, eu tentava passar a Kath o quanto eu estava ficando submisso ao seu beijo. E consequentemente submisso a ela. Separei nossos lábios brevemente, para recuperar meu fôlego, e logo voltei a beija-la novamente, dessa vez de forma mais intensa. Algumas vezes Kath sugava minha língua e eu ria no meio do beijo.
— Agora mais do que nunca eu quero te matar — ela disse ofegante.
— Por que? – perguntei rindo e encarando os lábios de Kath que agora estavam vermelhos.
— Porque, esta mais que comprovado que, além de eu não conseguir ficar brava com você, não consigo te recusar beijo também – dei risada e a abracei forte.
— Eu amo você — sussurrei — Como seu melhor amigo — ela riu.
— Eu também amo você — ela sussurrou — Como sua melhor amiga.
— Espero que nenhum paparazzi tenha visto nossos agarros ultimamente – Katherine arregalou os olhos.
— Isso seria péssimo! Pensou minha mãe ou a sua, descobrir pela mídia, que estamos tendo um caso?
— Foi bom te conhecer Katherine, espero que sejamos enterrados um ao lado do outro.
— Como você é idiota – ela riu – Eu tenho que ir agora, já está tarde – Kath me empurrou com força e cambaleei para lado.
— Agressiva!
— Tchau Bieber – ela disse seguindo para o portão, corri até ela, a abracei por trás e levantei-a no ar – JUSTIN SEU LOUCO!
— Não dá tchau direito pô! – reclamei, coloquei ela de volta no chão, Kath se virou para mim e sorria lindamente, puxou meu rosto e me deu vários selinhos.
— Está bom assim? – a abracei de novo e a enchi de selinhos.
— Agora sim! – sorri e ela retribuiu – Tchau pequena!
— Tchau coisa feia – me deu mais dois selinhos e entrou correndo dentro de casa. Esperei ela fechar a porta da sala para eu entrar no carro e partir para casa. Em vinte minutos eu já estava estacionando meu carro na garagem, subi a pequena escada da entrada e abri a porta. Minha mãe estava deitada no sofá e assistia TV, me aproximei dela e dei um beijo em sua bochecha.
— Oi querido, nem vi você entrando — se sentou no sofá, deitei com a cabeça em suas pernas e ela começou a mexer em meu cabelo — Como foi o passeio com Katherine?
— Bom — mordi os lábios sorrindo — Mãe, eu preciso te contar um coisa.
— O quê? — me sentei rapidamente e a olhei.
— Não me julgue, por favor — ela assentiu — Acho que estou começando a me apaixonar por Kath — Pattie abriu um sorriso lentamente, seus lindos olhos brilharem e eu ri.
— Oh céus! Justin isso é... estranho — disse por fim — Mas por que você acha?
— É que bom... a gente está de rolo — ela arregalou os olhos — Kath pediu para mim não contar para ninguém, porque tinha medo que não desse certo.
— Desde quando?
— Lembra com Connor tentou... – engoli em seco – tentou estupra-la? – minha mãe assentiu — No mesmo dia nos beijamos pela primeira vez.
— E como foi? Quer dizer, o que você sentiu?
— Mãe, desse jeito estou parecendo uma garotinha de quinze anos falando sobre seu primeiro beijo  — falei revirando os olhos.
— Ai Justin, que falta de consideração — colocou a mão no peito — E preconceito também. Vai, me fala como foi. Prometo que fica entre nós dois.
— No começo foi estranho para mim, quer dizer ficar com Katherine era algo fora de cogitação, mais depois... parece que eu conheci outro lado dela sabe? Eu já disse a ela que acho que estou criando sentimentos por ela mais a mesma ficou brava comigo.
— Olha, eu vou te dizer uma coisa, se você resolver pedi-la em namoro saiba que eu vou dar todo o apoio, porque Katherine é uma menina excelente e eu tenho certeza que ela te faria feliz. Mas Justin, você tem que entender o lado de “melhores amigos” dela — franzi a testa não entendendo nada — Não entendeu? É o seguinte, para uma mulher qualquer, um amigo homem é muito melhor que cinquenta amigas mulheres. Pode parecer estranho mais é a verdade. Perder um amigo é muito mais doloroso que perder uma amiga e deve ser por isso que Katherine tem receio. Eu vejo como ela se importa com você, você é realmente muito importante para ela Justin. E essa mudança brusca de relacionamento entre ambos pode ser um pouco complicado para ela, entendeu?
— Entendi, mãe — sorri para ela — Obrigado, vou tentar não forçar tanto a barra para ela.
— Isso é o primeiro passo. O próximo é você conquista-la com o charme que sei que você tem — dei risada — Faça algo especial para ela nesse viajem que vão fazer juntos.
— Pode deixar, eu já tenho em mente o que vou fazer — sorri — Agora eu vou dormir, boa noite dona Pattie.
— Boa noite filho!

Katherine Collins POV
Estava quase fechando meus olhos quando meu celular começou a tocar, estiquei minha mão e o peguei no criado-mudo. Notei duas coisas, primeiro, iria dar duas horas da manhã e, segundo, a foto minha e do Justin indicando que era ele.
— Fala Justin! — disse sonolenta.
— Desculpa ligar essa hora, mais é que nossa viajem foi adiada — sentei na cama e passei a mão em meu rosto — Parece que descobriram que a gente ia viajar amanhã de noite, então nós vamos ter que ir agora.
— AGORA? — gritei e depois tampei a boca — Ah Jus, eu estou morrendo de sono.
— Você pode dormir no avião.
— Mais eu nem arrumei minhas malas.
— Então vai arrumar agora, eu estou passando ai em uma hora — bufei. 
— Está bem, tchau.
— Tchau — desliguei o celular e me joguei na cama bufando alto. Me levantei em um pulo e fui arrumar minhas malas. Depois de prontas me vesti — calça jeans colada, blusa com a bandeira do Reino Unido com uma jaqueta preta e um salto azul — fui ate o quarto dos meus pais e acordei minha mãe. Enquanto ela se levantava, eu esperei no corredor, assim que ela saiu me encarou dos pés á cabeça. 
— Aonde você vai? 
— Justin acabou de me ligar, a viajem foi adiada, a gente esta indo agora.
— Está bem — ela assentiu — Quer ajuda para levar as malas para baixo?
— Não precisa, eu me viro — a abracei forte.
— Tome cuidado está bem? — assenti e beijei sua bochecha.
— Eu te amo mãe! — ela sorriu.
— Eu também te amo querida!— voltei ao meu quarto e levei minhas coisas até a sala, acho que sobreviveria com duas malas de roupas e uma de sapato. Quando tudo já estava no canto da sala, o meu celular apitou. Mensagem.
"Já estou aqui na frente, abre o portão para mim".  
Peguei o controle do portão e o abri, esperei na porta da sala. Justin entrou com o carro e estacionou, saiu do carro e veio até mim.
— Oi — disse e me deu um selinho.
— Oi! — abracei meu corpo — Me ajuda a pegar as malas — assentiu e me pegou uma de roupa e a outra com os sapatos. Peguei a outra mala e a minha bolsa da Louis Vuitton, entrei no carro e segundos depois Justin entrou. Ligou o carro e partiu em direção ao seu destino. 
— Que horas vamos chegar lá? — perguntei quebrando o silêncio.
— Na hora do almoço, vai dar para você dormir bastante — ri — Você avisou sua mãe?
— Claro, quem vai com a gente no avião?
— Só nós dois, Scooter tem compromisso com a família e eu insisti para não mandar seguranças comigo. Ele aceitou contanto que eu não chamasse a atenção.
— O que é meio difícil — ele riu — Vamos em uma companhia aérea?
— Eu aluguei um jatinho, dona Kath — sorri.
— Esqueci que você pode! — em alguns minutos chegamos no aeroporto e fomos direto para o jatinho que nos esperava. Deixamos nossas malas nos devidos lugares e depois nos sentamos na última poltrona.
— Eu aluguei esse daqui porque as poltronas viram cama, é demais. Tudo isso á base de um controle — ri da sua empolgação. Ele pegou um controle e apertou um botão, em cerca de segundos a poltrona virou uma cama grande. Onde caberia nós dois ali, Justin se deitou e bateu do seu lado para eu me deitar. Primeiro peguei nossos travesseiros e meu cobertor e deitei ao seu lado. O piloto apareceu ali e nos avisou que já iríamos decolar. Meia hora depois, já estávamos a caminho de Roma.
— Justin?
— Hum? — coloquei meu rosto em seu peitoral e abracei sua cintura. Justin logo passou a fazer carinho em meu braço — Já vai dormir?
— Sim, estou morrendo de sono — olhei para ele e selei nossos lábios rapidamente — Boa noite.
— Boa noite Kath!

Dois rostos diferentes, mais a sensação de conhecê-los. Da mesma forma do misterioso casal, eu não via seus rostos. Uma mulher, que julgo ter seus trinta anos, me pega no colo e sai andando. Um vazio tomou conta de mim, meus olhos se fecham e eu caio no sono.
Sentei com tudo e respirei fundo. Eu suava frio e meu coração parecia que iria explodir. Tirei minha jaqueta e amarrei meu cabelo em um coque. Me levantei e fui ate o banheiro onde eu lavei meu rosto e me encarei no espelho.
— Até quando eu vou sonhar com isso? — sussurrei para mim mesma — Até quando vou ficar com receio toda vez que me deito? E quando eu vou descobrir o porque dessa sensação?
— Katherine? — Justin apareceu na porta do banheiro e eu dei um pulo — O que faz acordada?
— Perdi o sono — peguei sua mão e o puxei de volta para a poltrona que agora era uma cama. — Vai demorar para chegarmos? 
— Um pouco — ele se sentou e eu também. Fiquei olhando para Justin até ele reparar e sorrir — Que foi?
— Onde fomos parar? — disse mais para mim do que para ele — A ponto de eu estar dizendo o quanto você é lindo — Justin franziu a testa e depois sorriu — Oh céus, o que estou falando? — bati na minha testa
— Você me acha lindo? Primeiro gostoso, agora lindo — ele riu balançando a cabeça, se aproximou de mim e deixou seu rosto bem perto do meu — Você também é Kath. Linda, inteligente, engraçada e gostosa — ri fraco — E eu adoro tudo isso em você.
Justin olhou para meus olhos e roçou nossos narizes, abri minha boca e a encostei em seus lábios. Pedi passagem com a língua e Justin cedeu, coloquei minha mão em sua nuca e o puxei mais para mim fazendo ele se deitar por cima de mim. Nossos lábios se moviam intensamente, arfei quando Justin deslizou sua mão para a minha coxa e a apertou. Suguei sua língua e separei nossos lábios.
— Vamos com calma — sussurrei.
— Desculpa — ele disse e se deitou ao meu lado e me abraçou — Vou deixar você dormir de novo — ri.
— É bom mesmo — lhe dei um selinho e voltei a me aconchegar em seu peitoral.

Preparadas para o próximo capítulo? haha
Is next, se é que vocês me entendem :)
Me falam o que acharam do capítulo e também o
que será que vai acontecer no próximo 
KISSES! 

14 comentários:

Não esqueça de deixar um comentário. Além de deixar a autora feliz, vai ajudá-la a saber se você está gostando ou não. Se achar algum link que não esteja funcionando nos avise.